CESA - Centro de Estudos da Saúde

Técnico em Enfermagem

Nas últimas décadas o desenvolvimento científico, tecnológico e econômico promoveu profundas modificações no mundo do trabalho, incluindo o perfil profissional que se deseja formar. Os problemas e desafios profissionais exigem um novo conjunto de valores, juntamente com novas qualificações.

A importância da qualificação profissional para a vida das pessoas, encontra-se na possibilidade de acesso as oportunidades de trabalho, que por sua vez, têm suas características modificadas a cada dia.  A capacitação não só dá condições para o exercício de determinadas profissões como também objetiva preparar para o mundo do trabalho, oferecendo a oportunidade de uma melhor adaptação ao mercado competitivo, uma vez que a pessoa deverá estar pronta, com hábitos e atitudes condizentes às exigências do mercado de trabalho. 

O perfil profissional desejado não é mais o mesmo de antes, hoje encontrará lugar no mercado o profissional que seja rapidamente adaptável a mudanças, flexível, criativo, curioso, com iniciativa capaz de visualizar e resolver problemas. Assim, é necessário adequar-se as transformações.

Em Pernambuco, na área da Saúde, fatores tais como: a expansão da Atenção Básica através do Programa de Saúde da Família, o aumento do número dos planos de saúde e hospitais públicos e privados como também as ações integradas a saúde passaram a ser desenvolvidas em outros ambientes como domicílios, escolas, creches, centros comunitários e empresas.  Todos esses dados, contribuem para a necessidade de formação profissional de técnico de enfermagem.

O Técnico de Enfermagem, enquanto uma das três categorias profissionais da Enfermagem,  teve sua formação regulada e regulamentada no Brasil, a partir de 1966. O seu exercício profissional está definido na Lei nº 7498/1986 que “dispõe sobre o exercício da enfermagem”, regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. Segundo dados de profissionais inscritos no Sistema COFEN/COREN verifica-se que no ano 2002 o Estado de Pernambuco cotava com 2.096 Técnicos de Enfermagem, 3.835 Enfermeiros e 16.969 auxiliares de enfermagem. Esses dados sinalizam para a necessidade urgente de investimentos na formação deste profissional.

Pólo médico gera 110 mil empregos diretos

Pernambuco é o único Estado brasileiro a incluir o setor médico como uma das atividades com maiores oportunidades de negócios. O Pólo Médico do Recife tem mais de 300 hospitais e centros de saúde, gerando cerca de 110 mil empregos diretos.

Ao contrário de outras atividades, o Pólo Médico gera mais empregos na medida em que fica mais sofisticado. “São cinco empregos para cada leito”, calcula Mardônio Quintas, presidente do Sindicato dos Hospitais de Pernambuco.

Todo este mercado ainda está esperando o desenvolvimento de produtos e processos (de serviços a modelos de gestão) que criados aqui, possam substituir, a custos menores, o que for trazido de fora. Um exemplo de equipamento criado por uma empresa pernambucana para o setor médico é o BipSoro, da Tmed, que foi incubada no Instituto Tecnológico de Pernambuco (Itep).

A prestação de serviços ao setor inclui também a criação de empresas que ofereçam suporte ao funcionamento dos centros médicos – isto inclui de lavanderias especializadas a abertura de restaurantes nas áreas próximas às principais unidades de saúde.

Jornal do Commercio Recife-28.01.2001 Domingo

http://www2.uol.com.br/JC/_2001/2801/ec2801_20.htm

Dessa forma, O Centro de Estudo da Saúde - CESA , de acordo com a LDBN 9394/96, o Decreto Nº5154/04, Parecer Nº16/99 e a Resolução Nº 04/99 do CNE, propõe a realização do Curso Técnico em Enfermagem de Nível Médio, visando suprir a demanda por profissionais de saúde preparados para as novas exigências do mercado de trabalho.

Objetivos

  • Formar Técnicos em Enfermagem para desenvolver as competências inerentes a sua categoria profissional de forma que venha a atuar na promoção, prevenção e recuperação da saúde;
  • Preparar profissionais para exercer seu papel enquanto cidadão e agente educativo na busca de melhores condições de saúde;
  • Constituir nos alunos a capacidade de articular conhecimentos, habilidades e atitudes exigidas pelo mercado de trabalho atual.

Requisitos de acesso ao curso

  1. Para ter acesso ao Curso Técnico de Enfermagem, o candidato deverá:
    • estar cursando a partir do 2o ano ou ser egresso do ensino médio;
    • ter idade mínima de 17 anos, tendo menos, será necessária autorização dos pais.
  2. Para ter acesso ao Curso de Complementação de Auxiliar de Enfermagem para Técnico de Enfermagem, o candidato deverá:
    • apresentar o certificado do Curso de Auxiliar de Enfermagem de nível médio;
    • apresentar o histórico escolar do Curso de Auxiliar de Enfermagem de nível médio;
    • entregar currículo para análise.
  3. A escola aceitará matriculas de candidatos transferidos de unidades de ensino desde que exista vaga e que o aluno apresente o histórico escolar referente ao período cursado;

Matrícula

Para ingresso no Curso de Técnico de Enfermagem, o candidato deverá apresentar a seguinte documentação:

  • Histórico escolar do ensino médio (ficha 19) ou comprovante de matrícula do ensino médio (a partir do 2° ano);
  • certidão de nascimento (ou casamento);
  • cédula de identidade, título eleitoral, CPF, certificado militar (para o sexo masculino);
  • uma foto 3x4, recente;
  • requerimento do aluno, solicitando a matrícula e declarando estar ciente dos termos do Regimento Escolar
  • Comprovante de residência.

Perfil profissional

Competências profissionais gerais da área:

  • Identificar os fatores determinantes e condicionantes do processo saúde -doença;
  • Desenvolver ações de promoção da saúde e de prevenção das doenças, tendo como base de referência as normas e princípios de higiene e saúde pessoal e ambiental;
  • Aplicar as normas de biossegurança e segurança no trabalho no exercício profissional para proteger a sua saúde e a do cliente/paciente;
  • Adotar princípios de preservação de recursos renováveis e de preservação do meio ambiente;
  • Realizar atividades educativas de forma a levar o cliente/paciente a assumir com autonomia o cuidado com a própria saúde;
  • Adotar hábitos, atitudes e medidas geradoras de melhores condições de vida;
  • Executar atividades de saúde de acordo com os princípios e diretrizes do SUS, utilizando como balizador de sua ação a legislação referente aos direitos do usuário;
  • Realizar trabalho em equipe identificando funções e responsabilidades de cada membro, tendo em vista o caráter interdisciplinar da área da saúde;
  • Executar normas e rotinas e protocolo de trabalho no desenvolvimento de suas atividades;
  • Prestar cuidados de primeiros socorros em situações de emergências;
  • Operar equipamentos próprios da área da saúde zelando pela sua manutenção;
  • Registrar ocorrências e serviços realizados utilizando as ferramentas de informática como finalidade de facilitar o fluxo da profissão;
  • Planejar e organizar o trabalho na perspectiva do atendimento integral e da qualidade;

Perfil Profissional da Habilitação:

Além das competências gerais da área, o Técnico em Enfermagem deverá exercer atividades de assistência de enfermagem e de auxiliar do enfermeiro cabendo-lhe:

  • Colaborar com o enfermeiro na organização do processo de trabalho em enfermagem;
  • Prestar cuidados de enfermagem a pacientes em estado grave em colaboração com o enfermeiro;
  • Executar procedimentos e técnicas de enfermagem, visando a prevenção e o controle de infecção hospitalar e das iatrogenias;
  • Participar das atividades de assistência à saúde do trabalhador;
  • Prestar cuidados de enfermagem a mulher, criança, adolescente e ao idoso considerando suas necessidades específicas;
  • Prestar cuidados de enfermagem a pacientes com afecções clínicas e tratamentos cirúrgicos;
  • Prestar cuidados de enfermagem a pacientes com transtornos mentais, emocionais e usuários de drogas;
  • Prestar cuidados de enfermagem em saúde coletiva, assistindo ao indivíduo nas diferentes faixas etárias, famílias, grupos e comunidades;
  • Prestar cuidados de enfermagem a pacientes em situações de urgência e emergência;
  • Executar atividades de preparação e de acompanhamento do cliente/paciente antes, durante e após exames com fins de diagnóstico;
  • Executar atividades de promoção da biossegurança e segurança no trabalho;

 

MATRIZ CURRICULAR TÉCNICO EM ENFERMAGEM

 

Módulo

 

Componentes Curriculares

Carga Horária

Teórica

Estágio supervisionado

Total

 

 

 

MÓDULO

    I

 

Anatomia e Fisiologia Humana

Microbiologia e Parasitologia

Higiene e Profilaxia

Nutrição e Dietética

Psicologia Aplicada a Enfermagem

Ética Profissional

Noções de Farmacologia

Português Técnico

75

45

45

30

45

45

45

45

-

-

-

-

-

-

-

-

75

45

45

30

45

45

45

45

                           Carga Horária Total do Módulo I

375

-

375

MÓDULOII

 

 

Introdução a Enfermagem

Enfermagem em Clínica Médica

Enfermagem em Clínica Cirúrgica

 

 

 

120

120

120

 

102

60

60

 

222

180

180

                           Carga horária total do módulo II

360

222

582

MÓDULO       III

Enfermagem em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente

Enfermagem da Saúde Mental

Políticas Públicas em Saúde

 

120

 

60

15

60

 

12

-

180

 

72

15

                           Carga Horária Total do Módulo III

195

72

267

 

MÓDULO

IV

 

Enfermagem em Urgência e Emergência

Enfermagem em Geriatria

Saúde do Trabalhador

 

90

 

30

30

  

30

 

12

18

     

120

 

42

48

 

                          Carga Horária Total do MóduloIV

  150                                                                                                                                                 

60

210

 

MÓDULO

V

Enfermagem em Saúde Coletiva

Administração Aplicada a Enfermagem

 

90

 

30

30

 

16

120

 

42

                        Carga Horária Total do Módulo V

120

46

166

           CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO

1200

400

1600

Organização curricular do curso

O currículo do curso foi elaborado de forma a atender ao disposto na Lei de Diretrizes e Bases Nacional nº 9.394/96, no Decreto Federal nº 5.154/2004  Parecer CNE/CEB nº 16/99 de 05/10/99 na Resolução CNE CEB nº 04/99 e  a  Lei 7.498/86 de 05/06/86   e seu  Decreto 94.406 de 08/06/87 do COFEN.

Duração:

02 anos.

HORÁRIOS DO CURSO
Módulos/Teórico/prático (3h diárias):Seg. a sexta
Matutino: 08h às 11:00
Vespertino: 14h às 17:00
Noturno: 19h às 22:00

INVESTIMENTO:

MATRÍCULA: R$120,00**.

Manhã: R$240,00*. (até o dia 08);

Tarde: R$220,00*. (até o dia 08);

Noite: R$245,00*. (até o dia 08).

Confira os preços e descontos exclusivos com nossos consultores.
Central de Atendimento: (81) 3031-3393.

Fale agora pelo Whatsapp (81) 98302-7369, ou deixe seu número na mensagem, que ligaremos para você.

*Esses valores podem sofrer aumento ao longo dos 02 anos do curso, com base em índices de inflação e/ou IGP-M, ou com base em uma composição de aumento de despesas.

** Valor para pagamento à vista. Para pagamento da matrícula com cartão, acréscimo de 5,3%, ficando R$125,00 (cento e vinte e cinco reais).

Valores acima com desconto, para quem pagar até o dia 08 de cada mês.

 

Matriz curricular

Disciplina Carga horária
0
Total 0